Ultimi post
Powered by Blogger.

O Colono e o Fazendeiro - Carolina Maria de Jesus



Il Colono e il Latifondista

Il Brasiliano sostiene che la schiavitù sia finita
Il colono suda un anno intero 
e non ha mai denaro
Se il colono è ammalato
è necessario che lavori.
Lotta il povero sotto il sole bollente
e non ha nulla da mettere da parte
Cinque della mattina
Il fiscale suona la cornetta
Svegliando la camerata
Per il raccolto
Giunge sui campi al nascere del sole
Ognuno sulla sua fila
Sudando per mangiare
Solo fagioli con farina
Mai può migliorare
Questa situazione nera
La carne non può comprare
Per non avere debiti con il padrone
Il latifondista alla fine del mese 
Dà un vaglia di cento mila reis
L'articolo che costa sei
Lo vende al colono per dieci
Il colono non ha futuro
E lavora tutto il giorno
Il povero non ha assicurazione
E nè pensione
Perde la gioventù
La vita intera nei campi
E non ha un'associazione
Dov'è il suo sindacato?
Lui passa l'anno intero
Lavorando. Che grandezza.
Arricchisce il possidente
E si riduce in povertà
Se il proprietario dice
Non restare nella mia fattoria
Il colono deve cambiare
perchè non ha nessuno che lo difenda
Il colono vuole studiare
Ammira la cultura del padrone
Ma è uno schiavo, non deve progredire
non può dare spazio alla vocazione
Lavora l'anno intero 
E a Natale non ha la 13°.
Compresi che il latifondista
Non dà valore al colono.


Cliccando qui, è possibile scaricare la testata "Abertura" dove venne pubblicata la poesia di Carolina

O Colono e o Fazendeiro

Diz o brasileiro
Que acabou a escravidão
Mas o colono sua o ano Inteiro
E nunca tem um tostão
Se o colono está doente
É preciso trabalhar
Luta o pobre no Sol quente
E nada tem para guardar
Cinco da madrugada
Toca o fiscal a corneta
Despertando o camarada
Para colheita
Chega à roça ao Sol nascer
Cada um na sua linha
Suando para comer
Só feijão com farinha
Nunca pode melhorar
Esta negra situação
Carne não pode comprar
Para não dever ao patrão
Fazendeiro ao fim do mês
Dá um vale de cem mil réis
Artigo que custa seis
Vende ao colono por dez
Colono não tem futuro
E trabalha todo dia
O pobre não tem seguro
E nem aposentadoria
Ele perde a mocidade
A vida inteira no mato
E não tem sociedade
Onde está o seu sindicato
Ele passa o ano inteiro
Trabalhando. Que grandeza.
Enriquece o fazendeiro
E termina na pobreza
Se o fazendeiro falar
Não fique na minha fazenda
Colono tem que mudar
pois não há quem o defenda
O colono quer estudar
Admira a sapiência do patrão
Mas é um escravo, tem que estacionar
não pode dar margem à vocação
Trabalha o ano inteiro
E no Natal não tem abono
Percebi que o fazendeiro
Não dá valor ao colono.

Item Reviewed: O Colono e o Fazendeiro - Carolina Maria de Jesus Rating: 5 Reviewed By: Gianluigi D'Agostino