Ultimi post
Powered by Blogger.

Nao Ha Vagas - Ferreira Gullar

Non c'è Spazio

Il prezzo dei fagioli
non entra nella poesia. Il prezzo
del riso
non entra nella poesia.
Non entra nella poesia il gas
la luce il telefono
l'evasione fiscale
del latte
della carne
dello zucchero
del pane
Il funzionario pubblico
non entra nel poema
con il suo salario da fame
la sua vita racchiusa
tra gli archivi.
Come non entra nella poesia
l'operaio
che smeriglia il suo giorno d'acciaio
e carbone
nelle buie officine
- perché la poesia, signori,
è chiusa:
"non c'è spazio"
Nella poesia entra solo
l'uomo senza stomaco
la donna di nuvole
la frutta senza prezzo
Il poema, signori,
non puzza
nè profuma



Nao Ha Vagas

O preço do feijão 
não cabe no poema. O preço 
do arroz 
não cabe no poema. 
Não cabem no poema o gás 
a luz o telefone 
a sonegação 
do leite 
da carne 
do açúcar 
do pão 
O funcionário público 
não cabe no poema 
com seu salário de fome 
sua vida fechada 
em arquivos. 
Como não cabe no poema 
o operário 
que esmerila seu dia de aço 
e carvão 
nas oficinas escuras 
– porque o poema, senhores, 
está fechado: 
“não há vagas” 
Só cabe no poema 
o homem sem estômago 
a mulher de nuvens 
a fruta sem preço 
O poema, senhores, 
não fede 
nem cheira

Item Reviewed: Nao Ha Vagas - Ferreira Gullar Rating: 5 Reviewed By: Gianluigi D'Agostino