Ultimi post
Powered by Blogger.

Terra do Coraçao - Caio Fernando Abreu

La Terra del Cuore


Sulla terra del cuore ho trascorso il giorno riflettendo - cuore mio, mio cuore. Ho pensato ed ho pensato tanto che ha smesso di essere una forma, un organo una cosa. E' diventato solo un colore, azione - ripetuto, invertito -azione, colore - senza senso - pelle, azione e non. Volevo osservarlo, scappava. Batteva e ribatteva, nascosto nel petto. Allora ho chiuso i miei occhi ed ho viaggiato. E come chi gira un caleidoscopio, ho visto:

Il mio cuore è un rospo striato, viscido e stanco, che aspetta il bacio promesso in grado di trasformarlo in un principe.
Il mio cuore è un album di ritratti così antichi che i volti si riconoscono a stento. Rosicchiati dagli insetti, ingialliti dal tempo, visi deformati, immobili, cristallizzati in posizioni rigide dal fotografo invisibile. Questo stringeva gli occhi quando sorrideva. Quella aveva un modo particolare di inclinare la testa. Sfoglio le pagine, la polvere resta sulle dita, il vento soffia.
Il mio cuore è il mendicante più affamato della strada più miserabile. Il mio cuore è un ideogramma disegnato con un inchiostro lavabile su un panno di seta dove è caduta una goccia d'acqua. Guardando così, da sopra, potrebbe essere Wu Wang, l'Innocenza. Ma è così macchiato che forse potrebbe essere Ming I, l'Oscuramento della Luce. O uno qualunque, o qualunque altro: indecifrabile.
Il mio cuore non ha forma, appena suono. Un notturno di Chopin (sarà il numero 5?) al quale Jim Morrison ha scritto un testo parlando di morte, desiderio e abbandono, registrato da una band punk. Pelle nera, chiodo e piano.
Il mio cuore è un bordello gotico nelle cui stanze si prostituiscono donne provocanti decadute, protettori sensuali, dee lesbiche, nani pervertiti, prostitute economiche, centauri gay e vergini pazze di tutti i sessi.
Il mio cuore è un tratto secco. Verticale, postmoderno, coloratissimo a neon, registrato su uno sfondo nero.
Puro artificio, definitivo.
Il mio cuore è un pomeriggio d'estate, in una cittadina sulla riva del mare. La brezza soffia, è uscita la prima stella. Ci sono donne alla finestra, ragazzi per la piazza, tulle viola sui monti dove il sole si posa. La luna piena  è nata dal mare. Gli innamorati sospirano. E si innamorano ancora di più.
Il mio cuore è un angelo di pietra dalle ali spezzate.
Il mio cuore è un bar con un tavolo unico, inclinato sul quale un solo ubriaco beve un solo bicchiere di bourbon, contemplato da un unico cameriere. Nello sfondo, Tom Waits geme un unico verso graffiato. Rauco, pazzo. Il mio cuore è un gelato colorato con tutti i colori, è al sapore di tutti i sapori. Chi lo proverà, sarà felice per sempre.
Il mio cuore è un soggiorno inglese con pareti coperte con carta a fiori tagliati. Caminetto acceso, poltrone profonde, morbide, quadri con prati verdi e case pacifiche coperte d'edera. Sul pizzo bianco della tovaglia, il te riposa in una porcellana della Cina. Nel libro aperto a lato, qualcuno ha sottolineato un verso di Sylvia Plath: ""I'm too pure for you or anyone". Non c'è nessuno in questa sala con le finestre chiuse.
Il mio cuore è un film noir proiettato in un cinema di quinta categoria. La platea butta i popcorn sulla tela e fischia la storia piena di cliché.
Il mio cuore è un deserto nucleare pulito da venti radioattivi.
Il mio cuore è un calice di cristallo purissimo trasbordante di liquore di strega. Infiammato, dorato. Si possono avere visioni, annunciazioni, presentimenti, vedere visi e paesaggi danzando su questa fiamma azzurro oro.
Il mio cuore è un laboratorio di uno scienziato completamente pazzo, che crea senza fermarsi Frankenstein mostruosi che sempre finiscono per distruggere tutto.
Il mio cuore è una pianta carnivora morta di fame. Il mio cuore è una vecchia prefica portoghese, coperta di nero, che canta un fado lento e pieno di gemiti - povera me! povera me!
Il mio cuore è un pozzo di miele, al centro di un giardino incantato, che alimenta colibrì che, dopo averlo provato, si trasformano magicamente in cavalli bianchi alati che volano lontano, in direzione della stella Veja. Portano con loro chi mi ama, portano via anche me. Fachiri involontari, cascata di champagne, porpora rosa del Cairo, scarpe dalle suole forate, verso di Mario Quintana, vetrina vuota, rasoio affilato, fico maturo, carta crespa, cane che piange alla luna, rovina, simulacro, bastoncini d'incenso.
Accesa, acceso - vasto, vivo: il mio cuore è tuo.

Caio Fernando Abreu

Terra do Coração - Caio Fernando Abreu


Na terra do coração passei o dia pensando - coração meu, meu coração. Pensei e pensei tanto que deixou de significar uma forma, um órgão, uma coisa. Ficou só com-cor, ação - repetido, invertido - ação, cor - sem sentido - couro, ação e não. Quis vê-lo, escapava. Batia e rebatia, escondido no peito. Então fechei os olhos, viajei. E como quem gira um caleidoscópio, vi:
Meu coração é um sapo rajado, viscoso e cansado, à espera do beijo prometido capaz de transformá-lo em príncipe.
Meu coração é um álbum de retratos tão antigos que suas faces mal se adivinham. Roídas de traça, amareladas de tempo, faces desfeitas, imóveis, cristalizadas em poses rígidas para o fotógrafo invisível. Este apertava os olhos quando sorria. Aquela tinha um jeito peculiar de inclinar a cabeça. Eu viro as folhas, o pó resta nos dedos, o vento sopra.
Meu coração é um mendigo mais faminto da rua mais miserável.Meu coração é um ideograma desenhado a tinta lavável em papel de seda onde caiu uma gota d’água. Olhado assim, de cima, pode ser Wu Wang, a Inocência. Mas tão manchado que talvez seja Ming I, o Obscurecimento da Luz. Ou qualquer um, ou qualquer outro: indecifrável.
Meu coração não tem forma, apenas som. Um noturno de Chopin (será o número 5?) em que Jim Morrison colocou uma letra falando em morte, desejo e desamparo, gravado por uma banda punk. Couro negro, prego e piano.
Meu coração é um bordel gótico em cujos quartos prostituem-se ninfetas decaídas, cafetões sensuais, deusas lésbicas, anões tarados, michês baratos, centauros gays e virgens loucas de todos os sexos.
Meu coração é um traço seco. Vertical, pós-moderno, coloridíssimo de neon, gravado em fundo preto. Puro artifício, definitivo.
Meu coração é um entardecer de verão, numa cidadezinha à beira-mar. A brisa sopra, saiu a primeira estrela. Há moças na janela, rapazes pela praça, tules violetas sobre os montes onde o sol se p6os. A lua cheia brotou do mar. Os apaixonados suspiram. E se apaixonam ainda mais.
Meu coração é um anjo de pedra de asa quebrada.
Meu coração é um bar de uma única mesa, debruçado sobre a qual um único bêbado bebe um único copo de bourbon, contemplado por um único garçom. Ao fundo, Tom Waits geme um único verso arranhado. Rouco, louco.Meu coração é um sorvete colorido de todas as cores, é saboroso de todos os sabores. Quem dele provar, será feliz para sempre.
Meu coração é uma sala inglesa com paredes cobertas por papel de florzinhas miúdas. Lareira acesa, poltronas fundas, macias, quadros com gramados verdes e casas pacíficas cobertas de hera. Sobre a renda branca da toalha de mesa, o chá repousa em porcelana da China. No livro aberto ao lado, alguém sublinhou um verso de Sylvia Plath: "Im too pure for you or anyone". Não há ninguém nessa sala de janelas fechadas.
Meu coração é um filme noir projetado num cinema de quinta categoria. A platéia joga pipoca na tela e vaia a história cheia de clichês.
Meu coração é um deserto nuclear varrido por ventos radiativos.
Meu coração é um cálice de cristal puríssimo transbordante de licor de strega. Flambado, dourado. Pode-se ter visões, anunciações, pressentimentos, ver rostos e paisagens dançando nessa chama azul de ouro.
Meu coração é o laboratório de um cientista louco varrido, criando sem parar Frankensteins monstruosos que sempre acabam destruindo tudo.
Meu coração é uma planta carnívora morta de fome. Meu coração é uma velha carpideira portuguesa, coberta de preto, cantando um fado lento e cheia de gemidos - ai de mim! ai, ai de mim!
Meu coração é um poço de mel, no centro de um jardim encantado, alimentando beija-flores que, depois de prová-lo, transformam-se magicamente em cavalos brancos alados que voam para longe, em direção à estrela Veja. Levam junto quem me ama, me levam junto também.Faquir involuntário, cascata de champanha, púrpura rosa do Cairo, sapato de sola furada, verso de Mário Quintana, vitrina vazia, navalha afiada, figo maduro, papel crepom, cão uivando pra lua, ruína, simulacro, varinha de incenso.
Acesa, aceso - vasto, vivo: meu coração é teu.

Item Reviewed: Terra do Coraçao - Caio Fernando Abreu Rating: 5 Reviewed By: Gianluigi D'Agostino