Ultimi post
Powered by Blogger.

Chuva – Joao Guimaraes Rosa

        

Joao Guimaraes Rosa 

27 de junho de 1908, Cordisburgo, Minas Gerais 
19 de novembro de 1967, Rio de Janeiro 

Il libri possono essere acquistati su 
Amazon, LaFeltrinelli.it eIBS 

  

Chuva 
       
Vai chover chuva de vento. 
Já estou sentindo um cheiro d′água, 
que vem do céu cinzento. 
As formigas lavadeiras cruzam o quintal 
em filas compridas de correição. 
Minhocas brotam à flor da terra. 
— Eh aguão!... 
A chuva vai vir da banda
da serra, 
porque o joão-de-barro abriu a sua porta 
virada para o sul. 
As sementinhas do meloso seco 
devem estar dançando na poeira. 
Eu não ouvi o primeiro trovão, 
mas o zebu está escutando, 
com a cabeça encostada no chão. 
Três urubus passam no alto, 
em vôo lento, 
em reta longa. 
Vão para as lapas dos lajedos. 
"Vai fazer tua casa, Urubu!... 
Tempo de chuva aí vem, Urubu!..." 
Já deve estar chovendo nas cabeceiras da
serra, 
porque o ribeirão engrossa, cor de terra. 
Vai chover chuva de vento. 
Os bois vêm correndo, pasto abaixo, 
procurando as árvores do capão. 
Vai invernar... 
Eu hoje amanheci alegre, 
querendo cantar... 
O vento já chegou nas casuarinas, 
e o sapo saiu de debaixo da laje 
para um buraco no meio do pátio 
onde vai se encher uma lagoa. 
— Eh aguão!... 
— Olá, José, arreia meu Cabiúna, 
liso do casco à testa, 
preto do rabo à crina, 
que eu vou sair pelo cerrado afora, 
a galopar, com a chuva me correndo
atrás... 
Ela já vem, branquinha, cheirando a água
nova, 
e a serra está clarinha, neblinando... 
A chuva vem rolando, vem chiando, 
e o vento assoviando 
— Galopa, Cabiúna, que a água vem vindo, 
e as sementinhas do meloso seco estão
dançando...

Pioggia 

Pioverà pioggia di vento. 
Già sto sentendo un aroma d’acqua,
che viene dal cielo grigio. 
Le formiche lavadeiras
attraversano il cortile 
in lunghe e spesse file. 
I lombrichi emergono come fiori
dalla terra. 
- E’ un acquazzone!…   
La pioggia arriverà dal lato
delle montagne, 
perchè il joao-de-barro1 ha aperto la
propria porta rivolta a sud. 
I semini del mieloso secco  
staranno danzando nella polvere. 
Non ho sentito il primo tuono, 
ma lo zebù sta ascoltando, 
con la testa accostata a terra. 
Tre urubu passano in alto, 
in un volo lento, 
su una lunga 
retta
. 
Vanno sotto le pietre dei rigagnoli. 
”Vai a fare la tua casa, Urubu!… 
Tempo piovoso arriva, Ururubu!…”
Già starà piovendo sulle sorgenti
delle montagne, 
perchè il ruscello s’ingrossa,
color terra. 
Pioverà pioggia di vento. 
I buoi arrivano correndo, pascolo
a terra, 
cercando gli alberi del piccolo bosco. 
Arriverà l’inverno… 
Oggi mi son svegliato allegro, 
volendo cantare… 
Il vento è già arrivato tra le
casuarine, 
e il rospo è uscito da sotto una pietra 
verso un buco in mezzo al piazzale 
dove si riempirà un laghetto. 
- E’ acquazzone!… 
- Olà, José, imbraca il mio Cabiuna,
liscio dallo zoccolo alla testa, 
nero dalla coda alla criniera, 
che uscirò sul cerrado fuori, 
a galoppare, con la pioggia
che mi corre dietro… 
Già arriva, bianca, profumando
d’acqua nuova, 
e le montagne son chiare, con la
nebbia… 
La pioggia arriva ruotando, arriva
scrosciando, 
e il vento fischiando 
- Galoppa, Cabiuna, che l’acqua sta
arrivando, 
e i semini del mieloso secco stanno
danzando.

 Torna alla scheda dell’autore

 JOAO GUIMARAES ROSA

*traduzione non ufficiale

1 – un tipo di uccello brasiliano che costruisce il proprio nido con l’argilla

Item Reviewed: Chuva – Joao Guimaraes Rosa Rating: 5 Reviewed By: Gianluigi D'Agostino