Ultimi post
Powered by Blogger.

Ideal – Fagundes Varela

     

Fagundes Varela  

   

il 18 agosto 1841, Rio Claro, Rio de Janeiro 
17 febbraio 1875, Niteroi, Rio de Janeiro 

      

I libri di Fagundes Varela sono acquistabili su:Amazon e Abebooks

  

Ideal 
      
Não és tu quem eu amo, não és! 
Nem Teresa também, nem Ciprina; 
Nem Mercedes a loira, nem mesmo 
A travessa e gentil Valentina. 
Quem eu amo te digo, está longe; 
Lá nas terras do império chinês, 
Num palácio de louça vermelha 
Sobre um trono de azul japonês. 
Tem a cútis mais fina e brilhante 
Que as bandejas de cobre luzido; 
Uns olhinhos de amêndoa, voltados, 
Um nariz pequenino e torcido. 
Tem uns pés... oh! que pés, Santo
Deus! 
Mais mimosos que uns pés de criança, 
Uma trança de seda e tão longa 
Que a barriga das pernas alcança. 
Não és tu quem eu amo, nem Laura, 
Nem Mercedes, nem Lúcia, já vês; 
A mulher que minh'alma idolatra 
É princesa do império chinês. 

Ideale 
   
Non sei tu chi amo, no! 
Nè Tersa, né Ciprina; 
Né Mercedes la bionda, nemmeno 
La simpatica e gentile Valentina. 
Chi amo te lo dico, è lontana; 
Là nelle terre dell’impero cinese, 
In un palazzo dalla porcellana rossa. 
Su un trono d’azzurro giapponese. 
C’è la pelle più sottile e brillante 
Che vassoi di rame lucente; 
Alcuni occhietti di mandorla, devoti, 
Un naso piccolino e piegato. 
Ha dei piedi…oh!Che piedi, Santo

Dio! 

Più delicato di alcuni piedi di

bambino, 

Una treccia di seta tanto lunga 
Che la pancia delle gambe
raggiunge. 

Non sei tu che amo, né Laura, 
Né Mercedes, né Lucia, hai già visto; 
La donna che la mia anima idolatra 
E’ la principessa dell’impero cinese.

 Torna alla scheda dell’autore

 FAGUNDES VARELA

*traduzione non ufficiale

Pubblicato nel libro Vozes da América: poesias (1864).

Item Reviewed: Ideal – Fagundes Varela Rating: 5 Reviewed By: Gianluigi D'Agostino