Ultimi post
Powered by Blogger.

Esta Vida - Guilherme de Almeida

    

Guilherme de Almeida

24 de julho de 1890, Campinas, São Paulo
11 de julho de 1969, São Paulo

I libri di Guilherme de Almeida sono acquistabili su: Abebooks.it


Esta vida 
  
Um sábio me dizia: esta existência, 
não vale a angústia de viver. A ciência, 
se fôssemos eternos, num transporte 
de desespero inventaria a morte.
   
Uma célula orgânica aparece 
no infinito do tempo. E vibra e cresce 
e se desdobra e estala num segundo. 
Homem, eis o que somos neste mundo. 
Assim falou-me o sábio e eu comecei a ver 
dentro da própria morte, o encanto de morrer.
   
Um monge me dizia: ó mocidade, 
és relâmpago ao pé da eternidade! 
Pensa: o tempo anda sempre e não repousa; 
esta vida não vale grande coisa. 
Uma mulher que chora, um berço a um canto; 
o riso, às vezes, quase sempre, um pranto. 
Depois o mundo, a luta que intimida, 
quadro círios acesos : eis a vida 
Isto me disse o monge e eu continuei a ver 
dentro da própria morte, o encanto de morrer.
   
Um pobre me dizia: para o pobre 
a vida, é o pão e o andrajo vil que o cobre. 
Deus, eu não creio nesta fantasia. 
Deus me deu fome e sede a cada dia 
mas nunca me deu pão, nem me deu água. 
Deu-me a vergonha, a infâmia, a mágoa 
de andar de porta em porta, esfarrapado. 
Deu-me esta vida: um pão envenenado. 
Assim falou-me o pobre e eu continuei a ver, 
dentro da própria morte, o encanto de morrer. 
Uma mulher me disse: vem comigo! 
Fecha os olhos e sonha, meu amigo. 
Sonha um lar, uma doce companheira 
que queiras muito e que também te queira. 
No telhado, um penacho de fumaça. 
Cortinas muito brancas na vidraça 
Um canário que canta na gaiola. 
Que linda a vida lá por dentro rola! 
Pela primeira vez eu comecei a ver, 
dentro da própria vida, o encanto de viver.

Questa Vita

Un saggio mi disse: questa esistenza, 
non vale l'angustia di vivere.
La scienza, 

se fossimo stati eterni,
in un trasporto 

di disperazione avrebbe inventato la morte.

Una cellula organica appare 
nell'infinito del tempo.
E vibra e cresce 

e si sdoppia e si rompe
in un secondo. 

Uomo, ecco cosa siamo
in questo mondo. 

Così mi parlò il saggio e
io cominciai a vedere 

dentro la stessa morte, il fascino di morire.

Un monaco mi disse:
la gioventù, 

è un fulmine ai piedi dell’eternità! 
Pensa: il tempo va sempre e
non riposa; 

questa vita non vale un gran cosa. 
Una donna che piange,
una culla in un angolo; 

il riso, a volte, quasi sempre,
un pianto. 

Dopo il mondo, la lotta
che intimidisce, 

un quadro ceri accesi: ecco la vita 
Questo mi disse il monaco e io continuai a vedere 
dentro la stessa morte, il fascino di morire.

Un povero mi disse: per il povero 
la vita, è il pane e il cencio vile
che lo copre. 

Dio, io non credo in questa fantasia. 
Dio mi diede fame e sete
tutti i giorni 

ma non mi diede
mai pane, nè acqua. 

Mi diede la vergogna,
l'infamia, il male 

di andare di porta in porta,
in stracci. 

Mi diede questa vita:
un pane avvelenato 

Così mi parlò il povero e
continuai a vedere, 

nella stessa morte,
il fascino di morire.


Una donna mi disse: vieni con me! 
Chiudi gli occhi e sogna,
amico mio. 

Sogna una casa,
una dolce compagna 

che vorresti molto e che anche lei ti voglia. 
Sul tetto, una cresta di fumo. 
Tende molto bianche sulle finestre 
Un canarino che canta nella gabbia. 
Che bella vita che là dentro si svolge!

Per la prima volta cominciai
a vedere,             
dentro la stessa vita,
il fascino di vivere.

 Torna alla scheda dell’autore

 GUILHERME DE ALMEIDA

*traduzione non ufficiale

Item Reviewed: Esta Vida - Guilherme de Almeida Rating: 5 Reviewed By: Gianluigi D'Agostino