Ultimi post
Powered by Blogger.

O “Adeus” de Teresa - Castro Alves




L' "Addio" di Teresa

La prima volta che fissai Teresa,
Come le piante che trascina la corrente,
Il valzer ci portò nei suoi giri
E ci amammo E dopo nella sala
"Addio" le dissi tremando con la voce

E lei, piangendo, mormorò: "addio."

Una notte si aprì una tenda...
E dall'alcova uscì un cavaliere
Che baciava una donna senza veli
Ero io Era la pallida Teresa!
"Addio" le dissi tenendola stretta

E lei tra i baci mormorò: "addio!"

Passarono periodi secoli di delirio
Piaceri divini godimenti da Empireo
...Ma un giorno tornai ai miei lari.
In partenza dissi - "Tornerò!Riposa!..."
Lei, piangendo più di una bambina

Lei singhiozzando mormorò: "Addio!"

Quando tornai il palazzo era in festa
E la sua voce e quella di un uomo là nell'orchestra
Coprivano d'amore l'azzurro dei cieli.
Entrai!Lei mi vide bianca sorpresa!
Fu l'ultima volta che vidi Teresa!

Lei con affanno mormorò: "addio!"

Castro Alves


O “Adeus” de Teresa


A vez primeira que eu fitei Teresa,
Como as plantas que arrasta a correnteza,
A valsa nos levou nos giros seus
E amamos juntos E depois na sala
“Adeus” eu disse-lhe a tremer co’a fala


E ela, corando, murmurou-me: “adeus.”


Uma noite entreabriu-se um reposteiro. . .
E da alcova saía um cavaleiro
Inda beijando uma mulher sem véus
Era eu Era a pálida Teresa!
“Adeus” lhe disse conservando-a presa


E ela entre beijos murmurou-me: “adeus!”


Passaram tempos sec’los de delírio
Prazeres divinais gozos do Empíreo
… Mas um dia volvi aos lares meus.
Partindo eu disse – “Voltarei! descansa!. . . ”
Ela, chorando mais que uma criança,


Ela em soluços murmurou-me: “adeus!”


Quando voltei era o palácio em festa!
E a voz d’Ela e de um homem lá na orquestra
Preenchiam de amor o azul dos céus.
Entrei! Ela me olhou branca surpresa!
Foi a última vez que eu vi Teresa!


E ela arquejando murmurou-me: “adeus!”

Item Reviewed: O “Adeus” de Teresa - Castro Alves Rating: 5 Reviewed By: Gianluigi D'Agostino