Ultimi post
Powered by Blogger.

LXXI (Sonetos) [Eu cantei, não o nego, eu algum dia - Claudio Manuel da Costa


Sonetto LXXI

Ho cantato, non lo nego, ho cantato un giorno
sull'ingiusto amore la vittoria;
Senza saper, che il veleno più violento
Tra le dolci espressioni falso si nascose.

Che l'amore era benigno, io persuasi
Qualunque cuore privo d'amor;
Ancora adesso avrei cantato attento,
Se non avessi riconosciuto il tranello.

Nessuno dell'amore si fidi: adesso canto
Solamente i suoi inganni; perchè sento,
Che mi ha riservato molte ferite.

Con la sua protezione le chimere dipingo:
L'amore di un'anima è un disgustoso incanto;
L'amore di un cuor è un labirinto.

Claudio Manuel da Costa


LXXI (Sonetos) [Eu cantei, não o nego, eu algum dia
Eu cantei, não o nego, eu algum dia
Cantei do injusto amor o vencimento;
Sem saber, que o veneno mais violento
Nas doces expressões falso encobria.

Que amor era benigno, eu persuadia
A qualquer coração de amor isento;
Inda agora de amor cantara atento,
Se lhe não conhecera a aleivosia.

Ninguém de amor se fie: agora canto
Somente os seus enganos; porque sinto,
Que me tem destinado estrago tanto.

De seu favor hoje as quimeras pinto:
Amor de uma alma é pesaroso encanto;
Amor de um coração é labirinto.

Item Reviewed: LXXI (Sonetos) [Eu cantei, não o nego, eu algum dia - Claudio Manuel da Costa Rating: 5 Reviewed By: Gianluigi D'Agostino