Ultimi post
Powered by Blogger.

Para-raio - Djavan




Parafulmine

Scalzo in un piccolo spazio
Sdraiato in una stanza che cresce
Pallido, ardente, spirito assente
Silenzioso, di corpo serrato
Non traccio, non seguo, non sono obbligato
Non ho segreti, non sono ben dotato
Maturo, focalizzato sulla strada
Dimentico la paura, non piango per nulla

Nel braccio del mare
Ben sulla punta della spiaggia
La terra trema, il tempo divide
Chi comanda la pioggia è il vento
Chi comanda la pioggia è il vento

E parafulmine
Girandola

E parafulmine
E si ferma il tempo
E si ferma

E parafulmine
Girandola


Pára-raio

Descalço num pequeno espaço
Deitado em quarto crescente
Pálido, cálido, espírito ausente
Calado, de corpo fechado
Não traço, não sigo, não sou obrigado
Não faço segredo, não sou bem dotado
Cabeça feita, visão na estrada
Esqueço do medo, não choro por nada

No braço do mar
Bem na ponta da areia
A terra treme, o tempo serra
Quem manda na chuva é o vento
Quem manda na chuva é o vento

E pára-raio
Cata-vento

E pára-raio
E pára o tempo
E pára

E pára-raio
Cata-vento

Item Reviewed: Para-raio - Djavan Rating: 5 Reviewed By: Gianluigi D'Agostino