Ultimi post
Powered by Blogger.

Sonho – Junqueira Freire

 



Junqueira Freire 

31 de dezembro de 1832, Salvador, Bahia
24 de junho de 1855, Salvador, Bahia

Sonho


Era um bosque, um arvoredo,
Uma sagrada espessura,
— Mitológica pintura
Que o romantismo não faz.
Era um sítio tão formoso,
Que nem um pincel romano,
Nem Rubens, nem Ticiano
Copiariam assaz.
Ali pensei que sonhava
Com a donzela que me inspira,
Que põe-me nas mãos a lira,
Que põe-me o estro a ferver;
Que me acalenta em seu colo,
Que me beija a vasta crente,
Que me obriga a ser mais crente
No Deus que ela julga crer.
Sonhei com a visão dourada,
Que todo o poeta sonha,
— Idéia gentil, risonha,
Tão poucas vezes real!
Que só, com o peito abafado,
Se vai de noite em segredo
Contar no denso arvoredo
Ao cipreste sepulcral.
Mas, despertando do sonho,
Que aos homens não se revela,
Achei comigo a donzela,
Me apertando o coração,
E ainda presa a meus lábios,
Entre um riso, entre um gemido,
Murmurou-me ao pé do ouvido
— Que não era um sonho, não. —
E não mais, enquanto vivo,
Deixarei esta espessura,
— Mitológica pintura
Que o romantismo não faz.
Era um sítio tão formoso,
Que nem o pincel romano,
Nem Rubens, nem Ticiano
Copiariam assaz.

Sogno

C’era un bosco, un viale alberato,

Un sacro spessore,

- Mitologica pittura

Che il romanticismo non crea.

Era un posto così formoso,

Che nemmeno un pennello romano,

Nemmeno Rubens, nè Ticiano

Lo ricreerebbero abbastanza.

A quel punto pensai di sognare

La ragazza che m’ispira,

Che mi mette in mano la lira,

Che mi fa ribollire l’estro;

Che mi ninna al suo collo,

Che mi bacia la vasta fede

Che mi obbliga a credere di più

In Dio che giudica chi ha fede.

Sognai la visione dorata

Che tutti i poeti sognano,

- Idea gentile, sorridente,

Tante poche volte reale!

Che solo, con il petto soffocato,

Va di notte in segreto

A raccontarlo nel denso viale alberato

Al cipresso sepolcrale.

Ma, svegliandomi dal sogno,

Che agli uomini non si rivela,

Ho trovato con me la ragazza,

Che mi stringeva il cuore,

E ancora prigioniera delle mie labbra,

Tra un riso, tra un gemito

Mi ha mormorato all’orecchio

- Che non era un sogno, no -

E non più, sebbene vivo,

avrei lasciato questa spessore,

- Mitologica pittura

Che il romanticismo non crea.

Era un posto così formoso,

Che nemmeno un pennello romano,

Nemmeno Rubens, nè Ticiano

Lo ricreerebbero abbastanza.

Torna alla scheda dell’autore 

JUNQUEIRA FREIRE

Item Reviewed: Sonho – Junqueira Freire Rating: 5 Reviewed By: Gianluigi D'Agostino