Ultimi post
Powered by Blogger.

A Mulher – Fagundes Varela

     

Fagundes Varela  

   

il 18 agosto 1841, Rio Claro, Rio de Janeiro 
17 febbraio 1875, Niteroi, Rio de Janeiro 

      

I libri di Fagundes Varela sono acquistabili su:Amazon e Abebooks

  

A Mulher 
     
A mulher sem amor é como o

inverno, 
Como a luz das antélias no deserto, 
Como espinheiro de isoladas
fragas, 
Como das ondas o caminho incerto. 
A mulher sem amor é mancenilha 
Das ermas plagas sobre o chão
crescida, 
Basta-lhe à sombra repousar
um’hora 
Que seu veneno nos corrompe a
vida. 
De eivado seio no profundo abismo 
Paixões repousam num sudário
eterno... 
Não há canto nem flor, não há
perfumes, 
A mulher sem amor é como o
inverno. 
Su’alma é um alaúde desmontado 
Onde embalde o cantor procura
um hino; 
Flor sem aromas, sensitiva morta, 
Batel nas ondas a vagar sem tino. 
Mas, se um raio do sol tremendo
deixa 
Do céu nublado a condensada
treva, 
A mulher amorosa é mais que um
anjo,
É um sopro de Deus que tudo
eleva! 
Como o árabe ardente e sequioso 
Que a tenda deixa pela noite
escura 
E vai no seio de orvalhado lírio 
Lamber a medo a divinal frescura, 
O poeta a venera no silêncio, 
Bebe o pranto celeste que ela
chora, 
Ouve-lhe os cantos, lhe perfuma
a vida... 
- A mulher amorosa é como a aurora.

La donna

  

La donna senza amore è come
l’inverno,

Come la luce dell’antelio nel deserto,

Come lo spineto dei costoni di roccia

isolati,

Come delle onde il cammino incerto.

La donna senza amore
è una mancinella

Delle erme regioni sul suolo
cresciuta,

Le basta riposare all’ombra un’ora

Che il suo veleno ci corrompe la vita.

Del seno infettato nel profondo
abisso

Passioni riposano in un eterno
sudario…

Non c’è né canto né fiore,
non ci sono
profumi,

La donna senza amore è come l’inverno.

La sua anima è un liuto rotto

Dove inutilmente il cantore cerca un

inno;

Fiore senza aroma, sensitiva morta,

Battello tra le onde a vagare senza
orientamento.

Ma, se un raggio di sole tremando
lascia

Dal cielo nuvoloso la condensata

oscurità,

La donna in amore è più di un angelo,

E’ un soffio di Dio che eleva tutto!

Come l’arabo ardente e assetato

Che la tenda lascia durante la buia
notte

E va al seno del rugiadoso lirio

A lambire con paura la divina

freschezza,

Il poeta la venera nel silenzio,

Beve il pianto celeste che lei piange,

Ascolta i suoi canti, le profuma la
vita…

-La donna in amore è come l’aurora

 Torna alla scheda dell’autore

 FAGUNDES VARELA

*traduzione non ufficiale

Item Reviewed: A Mulher – Fagundes Varela Rating: 5 Reviewed By: Gianluigi D'Agostino