Ultimi post
Powered by Blogger.

Frammento de: "La Nave Negriera"


Frammento de: "La Nave Negriera"

Era un sogno dantesco... ponte di nave
tintinnii di ferro... colpi di frusta...
Legione di uomini neri come la notte
Orrendi a danzare...

Donne nere, alzando i seni
Magri bambini, le cui bocche nere
Innaffia il sangue delle madri:
Altre, ragazze...ma nude, spaventate
Nel turbine di spettri oppresse
In ansia e tristi vagano.

Uno di rabbia delira, l'altro impazzisce...
L'altro che abbrutisce nei martirii,
Piange e danza, lì.

Signore Dio dei disgraziati!
Ditemi Voi, Signor Dio!
Se è pazzia... se è verità 
Tanto orrore innanzi i cieli...

Chi sono questi disgraziati
Per non incontrare in Voi
Più il sorriso calmo che la turbe 

Diglielo tu, severa musa,
Musa molto libera, audace!

Sono i figli del deserto
Dove la terra sposa la luce.
Dove vola in campo aperto
La tribù degli uomini nudi...

Sono guerrieri valorosi,
Che con le tigri maculate
Combattono in solitudine...
Uomini semplici, forti, coraggiosi...
Oggi miseri schiavi

Senza aria, senza luce senza ragione...

Là nelle sabbie infinite 
Dei palmeti nel paese
Nacquero bei bambini,
Vissero ragazze gentili...
Passa un giorno la carovana
Quando la vergine nella capanna
Immagina la notte nei veli...
..Addio! Capanna del monte
..Addio! Palmeto della fonte
..Addio! amori...addio!

Signor Dio dei Disgraziati!
Ditemi Voi, Signor Dio!
Se è pazzia... se è verità 
Tanto orrore dinanzi ai cieli...

Oh mare, perchè non cancelli
dai tuoi spazi
Dal tuo manto questa macchia?
Astri! notte! tempeste!
Scuotete le immensità!
Pulite i mari, tifone!..

E esiste un popolo che la bandiera presta
Per coprire tanta infamia e codardia!...
E permette che si trasformi in questa festa
In manto impuro di fredda baccante!...
Mio Dio! mio Dio! ma che bandiera è questa,
Quale imprudente sulla vela quadra esulta?!...

Verde oro bandiera della mia terra,
Che la brezza del Brasile bacia e scuote,

Meglio averti rotto in battaglia,
Che servire a un popolo come sudario!...

...Ma è troppa infamia...
Dall'etereo paese
Alzatevi, eroi del Nuovo Mondo...
Andrada! Strappa questa bandiera dai venti!
Colombo! Chiudi la porte dei tuoi mari!



Trecho de: "O Navio Negreiro"

Era um sonho dantesco... o tombadilho,

Tinir de ferros... estalar do açoite...
Legiões de homens negros como a noite, 
Horrendos a dançar...

Negras mulheres, levantando às tetas 
Magras crianças, cujas bocas pretas 
Rega o sangue das mães: 
Outras, moças... mas nuas, assustadas, 
No turbilhão de espectros arrastadas, 
Em ânsia e mágoa vãs.

Um de raiva delira, outro enlouquece... 
Outro, que de martírios embrutece, 
chora e dança, ali.

Senhor Deus dos desgraçados! 
Dizei-me vós, Senhor Deus! 
Se é loucura... se é verdade 
Tanto horror perante os céus...

Quem são estes desgraçados 
Que não encontram em vós 
Mais que o rir calmo da turba

Dize-o tu, severa musa, 
Musa libérrima, audaz!

São os filhos do deserto 
Onde a terra esposa a luz. 
Onde voa em campo aberto 
A tribo dos homens nus...

São os guerreiros ousados, 
Que com os tigres mosqueados 
Combatem na solidão...
Homens simples, fortes, bravos...
Hoje míseros escravos 
Sem ar, sem luz, sem razão...

Lá nas areias infindas, 
Das palmeiras no país,
Nasceram crianças lindas,
Viveram moças gentis...
Passa um dia a caravana 
Quando a virgem na cabana 
Cisma das noites nos véus...
...Adeus! ó choça do monte!...
...Adeus! palmeiras da fonte!...
...Adeus! amores... adeus!...

Senhor Deus dos desgraçados! 
Dizei-me vós, Senhor Deus! 
Se é loucura... se é verdade 
Tanto horror perante os céus...

Ó mar, por que não apagas 
de tuas vagas 
De teu manto este borrão? 
Astros! noite! tempestades! 
Rolai das imensidades! 
Varrei os mares, tufão!...

E existe um povo que a bandeira empresta 
P'ra cobrir tanta infâmia e covardia!... 
E deixa-a transformar-se nessa festa 
Em manto impuro de bacante fria!...
Meu Deus! meu Deus! mas que bandeira é esta, 
Que impudente na gávea tripudia?!...

Auriverde pendão de minha terra, 
Que a brisa do Brasil beija e balança,

Antes te houvessem roto na batalha, 
Que servires a um povo de mortalha!...

...Mas é infâmia demais...
Da etérea plaga
Levantai-vos, heróis do Novo Mundo... 
Andrada! arranca este pendão dos ares! 
Colombo! fecha a porta de teus mares!

Item Reviewed: Frammento de: "La Nave Negriera" Rating: 5 Reviewed By: Gianluigi D'Agostino